quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Super Heróis

Ele - Mamã, gostava de perceber como conseguiste mudar a minha cama de um lado para o outro do quarto.

Eu - Então, porque eu sou uma super heroina. A tu a super mamã.

Ele - Mamã...os super heróis não existem!

(Detesto a forma como ele apreende tão bem as coisas que eu lhe digo, estou portanto arrependida de lhe dizer, os super heróis são as pessoas normais que se ajudam umas às outras)

Eu - Cá em casa existem, sou eu. Visto-te, dou-te o pequeno almoço e o jantar, o almoço aos fins de semana, brinco contigo, dou-te lições de vida, carinho e amor. Diz lá que não sou super. Sou pois! Quem sou eu?

Ele - Não és ninguém, os super heróis não existem!


(Aiiiiii, caramba mais ao miúdo, teimoso que nem a mãe!)

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

É Natal, é Natal

Estava na hora do jantar, e na televisão o senhor ministro das finanças, o Sr Dr Vitor Gaspar.

Eu - Alexandre, a próxima vez que não quiseres comer a sopa, mando te falar com aquele senhor.

Ele - Porquê? Quem é ele?

Eu - Foi o senhor que mandou para o desemprego o Pai Natal, não vais ter prendas, tu e os outros meninos, por causa deste senhor.

Ele, com um ar bastante espantado - Então, se calhar é melhor portar-me bem!!!

Gosto quando sou compreendida :)

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Acção de Graças




O Dia de Ação de Graças, conhecido em inglês como Thanksgiving Day, é um feriado celebrado nos Estados Unidos e no Canadá, observado como um dia de gratidão, geralmente a Deus, pelos bons acontecimentos ocorridos durante o ano. Neste dia, pessoas dão as graças com festas e orações.

Cá em casa não era um dia que fosse diferente dos outros, até que o puto foi estudar no meio dos americanos, agora não só temos de fazer trabalhos manuais alusivos ao tema, como a pena do peru que fizemos com massas, grão e feijão, mas também temos de falar sobre as coisas pelas quais estamos gratos a Deus.

Nas palavras do Xani, o nosso quartinho, a nossa casinha, os brinquedos, o papá a mamã e a puska.

Nas minhas palavras, a familia, e todos sermos saudaveis e claro o papá e a mamã terem emprego.

Ele- Pois porque assim podem comprar brinquedos, ah e as lojas, temos de agradecer a Deus por existirem lojas, e também pela nossa comida e já agora uma boquinha para mastigar e claro mamã um bom cérebro!

Parece-me que entendeu o conceito!

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

5 anos





No dia 4 de Novembro o Alexandre completou 5 anos, uma benção.
Mas os ultimos tempos não têm sido fáceis.
Em Setembro mudou de escola, por uma razão e outras saíu da escola que conhecia e onde tinha os amigos do coração, nomeadamente o maior amigo, vizinho e com quem tem vindo a crescer desde as 2 semanas de vida, o Rodrigo.
Agora está numa escola onde a língua oficial é o inglês, a primeira reacção foi fantástica até porque se apercebeu que o pai estaria sempre por perto, mas depois compreendeu que toda a vida dele iria ser transformada num grande desafio pois as professoras são americanas e não estão habilidadas a falar com os meninos em português, não é que não o saibam fazer na maioria dos casos, mas porque a escola não o permite, todas as aulas são dadas numa língua que ele não domina portanto, com excepção da aula de português obviamente.
Não foi apenas ele que se sentiu inseguro com a alteração, eu também fiquei angustiada, não tanto por pensar que ele não se iria adaptar, tenho confiança suficiente nele para saber que não se deixa abater por uma mudança de escola, mas porque gostava muito do método de ensino da escola onde ele estava, e ele sentiu.
Um destes dias enquanto lhe perguntava o que tinha feito nas aulas e ele me respondia que não sabia – coisa que aliás já fazia antes, é sempre tudo tirado a ferros – eu dei-lhe a resposta que sempre usei, se não sabes o melhor é tirar-te da escola e ficares em casa, ele desafiou-me dizendo, acho bem tiras-me desta e volta a pôr-me na outra, lá eu aprendia!!!
Embora a adaptação à escola nova tenha sido muito boa, e ele esteja já a falar inglês com um perfeito sotaque americano, misturando no meio de uma conversa palavras portuguesas com inglesas, o que me deixa confusa por vezes, mas sempre, sempre muito orgulhosa, a verdade é que o comportamento tem vindo a degradar-se.
Ele que sempre foi um menino bem comportado agora dá em fazer birras diariamente, por tudo e por nada chora que nem um bébé, chamou estúpida á professora e deixou-me de coração partido, bateu num colega porque este lhe disse que não queria brincar com ele, ameaça murros e pontapés a torto e a direito e tem sido uma desilusão.
Nunca achei que o meu filho fosse perfeito, nem o quero dessa forma, mas que está a perder a doçura de bébé está, e isso não me entristece mas deixa-me apreensiva pelo futuro, porque me revejo nas atitudes que a maioria das vezes ele toma e sei que a vê em mim e sei bem o que me custou por vezes ter este feitio malvado.
Ainda assim continua encantador, todos na escola nova gostam dele, no dia de aniversário teve um almoço especial porque as senhoras da cozinha o adoram e lhe puseram uma mesa cheia de bonecos, o senhor da segurança quando me encontra diz-me que o meu filho é um espectaculo, a reitora da infantil agradeceu-me por ter levado o miúdo para a escola porque ele traz uma lufada de ar fresco sempre que entra numa sala, os responsáveis pelo IT acham que ele é 5 estrelas e as professoras dizem que têm de o manter sempre à frente dos restantes colegas para que ele esteja sempre motivado e que as capacidades académicas dele são fantásticas.
Agora só quero que esta fase passe e que o comportamento fique melhor, detesto miúdos mal educados e por muitos castigos que lhe dê de cada vez que me chega a casa uma “sad face”fico triste e desiludida e não vejo melhorias nos próximos tempos, acho que o Escorpião que há nele está a pôr a cauda venenosa de fora.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Faces

- Mamã porque estás triste? Foi por eu ter tido uma "sad face" na escola?

- Sim, estou triste porque te portaste mal.

- Sorry mummy, tomorrow is a happy face.

O meu filho, o emigrante!

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Precoce

Mamã, se a minha namorada vem cá a casa no dia dos meus anos, posso dormir com ela?

Whaty?????????????????

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Auto confiante

Mamã quero ir dormir a casa da Babá, e jantar lá.

Mas filho a babá pode não estar a contar contigo, nem para jantar nem para dormir, estamos em cima da hora de jantar.

Mas eu estou a contar com ela!

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Definição de filho por José Saramago:

"Filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isto mesmo ! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado. Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo".

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Tempos Modernos

As estórias que lhe conto, se são inventadas têm de ser de medos, um destes dias contei-lhe a estória de um crocodilo bébé que incauto se afastou dos pais e acabou perdido no meio da floresta rodeado de caçadores, prontinhos para o transformar em sapatos.

Depois de algum suspense e com muitos sons à mistura para tornar a narração mais vivida e aterrorizadora, lá uma tartaruga se voluntariou a ajudar o pobre e enviá-lo de volta para o rio onde pode finalmente levar um raspanente dos progenitores por ter desobedecido à ordem expressa de não se afastar.

Terminada a minha odisseia fui presenteada com um:

- Quando for grande também vou passear sozinho, achas que vou encontrar caçadores?
- Acho, vais encontrar os teus próprios caçadores e vais certamente superá-los com inteligência (sou uma pessoa confiante nas capacidades da minha cria, verdade)
- O pior é se eu perder o caminho de volta. Mas acho que o encontro com um GPS!

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Ingenuidade

- Mamã quero ir brincar.

- Está ali a Iris, vai ter com ela.

- Mas ela disse que ia lá abaixo e que já voltava para vir brincar comigo.

- Alexandre a Íris tem 7 anos, se não fores tu ter com ela, acho que será melhor esperares sentado.

Passados 2 segundos constatei que o meu filho tinha encontrado uma cadeira e estava sentado, certamente à espera.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Convicções

- Babá, a mamã vai comprar-me uma prancha de surf (é o que dá depois de uma semana a ver um campeonato)

- Ai vai? Eu acho que primeiro vais ter de ir trabalhar , para ganhar dinheiro e então poderes comprar a prancha, que isso é coisa para ser cara.

- Eu não quero trabalhar, quero ter uma profissão.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Brincalhão

Ao sair de casa:

- Alexandre, chama por favor o elevador.
- Elevadorrrrrrrrrrrrrrrrr

terça-feira, 5 de julho de 2011

Telemóvel

O Alexandre descobriu o telemóvel do pai.
Primeiro foi o jogo das bolinhas (bubble breaker), mas não tardou muito para descobrir o GPS.
No fim de semana, pediu ao pai para lho emprestar e chegou-se perto da minha mãe e disse-lhe:

- Vou te mostrar Portugal visto do satélite. Vais aqui (desbloqueou o ecrã)
- Clicas aqui (start)
- Carregas no N (Ndrive o GPS)
- Agora vens aqui (começou a fazer zoom)
- E já está!

Como foi, não sei, o pai diz que nunca lhe explicou, mas que ele sabe inclusivamente deixar o ecrã a preto em modo de poupança de energia, isso consegue, ninguém me contou, eu vi!

sexta-feira, 10 de junho de 2011

A politica explicada às crianças

Eu - Sabes quem é o novo primeiro ministro?
Xani - O Passos Coelho.
Eu - Sabes porquê?
Xani - Porque houve eleições. É sempre assim? Mudam os primeiros ministros?
Eu - Sim amor, é a democracia, o povo vai votar e uma vez ganha um outras vezes ganham outros
Xani - Eu quando fôr grande quero ser primeiro ministro, mas se me quiserem mudar, eu não me mudo.
Eu - Nesse caso amor isso é fascismo e ninguém quer isso de novo no país, por isso vou ser a primeira a dizer-te que assim é melhor não seres primeiro ministro.
Xani- Isso quer dizer que tenho de mudar não é?
Eu - Sim.
Xani - Ok então eu mudo!

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Irmão

Com as mães dos amigos a ficarem grávidas e a darem muitos irmãos aos coleguinhas, a pergunta havia de ser levantada.
O Rodrigo, amigo do coração e vizinho do andar de baixo, a semana passada perguntou à mãe quando lhe dava ela um irmão, ao que respondeu a incauta mãe:
- Mas onde vou eu arranjar um irmão agora?
- No bercário, pois claro!

Ora esta semana foi a minha vez, e só para comparar respondi da mesma fora, mas a resposta não foi de todo igual:
- Mamã, toda a gente sabe que os bebés vêm da barriga das mamãs.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Mini Me

Um destes dias, íamos no carro a conversar enquanto o levávamos para casa da minha mãe, sobre o jantar a que íamos com a minha sogra.
Falámos de ir buscar a uma avó enquanto o encaminhávamos para a outra, e ele ouviu, e logo de repente saí-lhe uma frase que parecia ter saído da minha boquinha - que nestes momentos percebo ser grande demais.

- Vocês vão dormir a casa da minha vóvó, é?

O tom de total superioridade com que às vezes as frases me saem estava tão bem espelhada na voz dele que embora o tivesse chamado à atenção sobre não estar a falar com os amiguinhos da escola mas com os pais, senti que tinha sentado no banco de trás um verdadeiro eu em versão minorca.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Palavras Caras

Enquanto fazíamos uma corrida na garagem e eu o deixava ganhar:

- Mamã eu sou muito mais veloz que tu. Tenho mais velocidade.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Manipulação

Esteve de castigo no fim de semana, porque se portou mal e teve bolinhas vermelhas. O castigo foi não ver o Panda, não brincar com o dinossauro (que é o boneco favorito)e sem filmes no fim de semana.
Mas entretanto foi passar a noite de Sexta e de Sábado a casa da minha mãe, que lá em casa decidimos que além da vida social dele, também temos direito à nossa.
Embora sabendo que estava de castigo e nunca tendo pedido explicitamente para a vó o deixar ver televisão deu-lhe a entender que se ela lhe ligasse o Panda ele podia entreter-se mais, claro que a minha mãe lhe respondeu que ele estava de castigo e que a mãe não deixava.

Resposta pronta:

- Babá, agora é a minha mãe que manda em ti?

domingo, 1 de maio de 2011

Lenda de Abrantes






ABRANTES é uma antiquíssima cidade. Segundo alguns autores, terá sido fundada pelos Túrdulos 990 anos antes de Cristo, segundo outros foi fundada por galo-celtas em 308 a. C. Foi senhoreada por Romanos, Visigodos, Árabes e, por fim, em 8 de Dezembro de 1148, conquistou-a D. Afonso Henriques. Diz-se que os Romanos lhe chamavam Tubucci, os Vísigodos Aurantes e os Árabes Líbia. Segundo a lenda, o nome de Abrantes data, mais ou menos, da época da conquista da fortaleza por D. Afonso Henriques, estando ligado a acontecimentos imediatamente posteriores.



Consta que era alcaide do castelo um velho mouro chamado Abraham Zaid. Abraham tinha uma filha a que chamara Zara e um filho bastardo, de uma cativa cristã, a que pusera o nome de Samuel. Ninguém sabia, porém, que Samuel era filho do velho alcaide, nem o próprio rapaz. Assim, viviam os dois jovens apaixonados e o velho sentindo crescer em si, dia a dia, uma angústia terrível, antevendo a hora em que seria obrigado a revelar o seu segredo.



Um dia, diz a História, os cristãos foram pôr cerco ao castelo. A hoste era comandada pelo aguerrido Afonso Henriques, que trazia consigo vários cavaleiros e monges. Do Mosteiro do Lorvão trouxera o Rei um velho e sábio monge beneditino para o aconselhar os assuntos espirituais. De algures, de um local qualquer do reino, trouxera um cavaleiro cheio de ideais e de força guerreira, chamado Machado.



Finda a batalha e conquistado o castelo, Samuel foi aprisionado por Machado. Na confusão do saque da debandada moura, o cavaleiro, que acabara de desarmar Samuel, viu um peão perseguindo Zara com intuitos evidentes de violação, e, entregando o prisioneiro a dois vigias, correu em auxilio da moura. Com um forte empurrão derrubou o soldado, que estava ébrio, e amparando Zara foi entregá-la à custódia do velho beneditino, até que se acalmassem os ânimos exaltados pelo sangue, pelo saque e pelo vinho.




Quando o cavaleiro Machado retomou o seu posto, ia como que alheado. Ficara fascinado pela beleza da moura, estranhamente parecida com uma imagem de Nossa Senhora dos Aflitos que sua mãe lhe dera ao morrer e que ele, devotamente, trazia sempre consigo. Por outro lado, impressionara-o a repentina recordação de um sonho que vinha tendo frequentemente e no qual, ao escalar os muros de um castelo, se via salvando uma donzela com que se casaria. Tudo isto contribuía para o alhearnento do jovem cavaleiro, que, se não fossem as suas obrigações de guerreiro, decerto se teria quedado em enternecida contemplação da bela Zara.



Entretanto, D. Afonso Henriques, querendo remunerar os serviços prestados naquela batalha pelo seu bastardo D. Pedro Afonso, deu-lhe o senhorio do castelo e nomeou-o seu alcaide-mor. Pedro Afonso, porém, desejava partir com o pai para Torres Novas e, por isso, decidiu delegar a alcaidaria no cavaleiro Machado.



O Rei, antes de partir, mandou que o monge ficasse no castelo como guardião das almas, ordenou-lhe que entregasse a prisioneira a Abraham e tomou todas as medidas necessárias à segurança da vila.
Assim que a hoste se desvaneceu ao longe, na poeira, o cavaleiro Machado, feliz por ficar como alcaide do castelo, apaixonado por Zara, preparou-se para conquistar o seu coração utilizando os meios permitidos pelo código de honra da cavalaria, ou seja, os modos corteses e suaves. Mas Zara, que adorava Samuel, sentia uma espécie de rejeição cada vez que o cavaleiro se aproximava de si. E, para não fazer qualquer gesto mais brusco que comprometesse a boa paz em que viviam, pedia conselhos ao pai e ao velho monge. O frade, como confessor do cavaleiro, bem sabia o amor que ele tinha pela donzela, e, como bom observador, compreendia que nas evasivas de Abraham existia qualquer coisa de estranho. Por isto, procurava conciliar toda a gente e assegurava a Zara a honradez e nobreza de sentimentos do jovem alcaide.




Samuel, porém, não conseguia viver em paz. Os ciúmes irrompiam nele à mínima alusão, ao mínimo gesto, sem que conseguisse controlar-se. E, na sua insegurança, tão depressa acatava as palavras conciliatórias de Abraham e do monge, como ficava possuído pelo demónio da Loucura, que o obrigava a cometer insânias.
Zara acreditava que Samuel estava compenetrado do seu amor e da sua fidelidade e pensava, por isso, que as acções destrambelhadas do rapaz provinham da mudança de situação para vencido de guerra. Assim, certa tarde em que tentava reconciliá-lo com o alcaide, perguntou ao pai como deveria proceder se o cavaleiro viesse procurá-la e ele não estivesse em casa: deveria manter a porta fechada como se não estivesse ninguém, ou recebê-lo-ia?



Abraham, julgando ver nesta pergunta um novo intuito de ofensa ao alcaide do castelo, para evitar mais problemas, respondeu:
-Nada temo nem receio da tua virtude, minha filha. E confio também na honradez do alcaide. Abre antes a porta!
Samuel, porém, ao ouvir estas palavras perdeu o domínio de si e correu para a rua, gritando como louco:
- Abre antes! Abre antes!
A vizinhança acorreu, uns aos postigos, outros às vielas, a saber o que aquilo era, e Samuel, enlouquecido de ciúmes, contava a história à sua maneira, deixando agravados o alcaide, Zara, Abraham e o próprio monge.



Conta a lenda, ainda, que Samuel acabou por cair de cansaço e de febre. Uma vez bom de saúde, Abraham juntou os e contou-lhes a verdade sobre o nascimento do rapaz. Assim ficaram a saber que eram irmãos e que a mãe de Samuel fora uma bela cativa cristã que certo dia chegara a Tubuccí chorando um noivo que deixara na sua terra, chamado João Gonçalves.
Rolaram lágrimas silenciosas pelas faces envelhecidas do frade beneditino. Ele fora esse João Gonçalves que, vendo a noiva desaparecer, crendo-a perdida para sempre, entrara para o Mosteiro do Lorvão. Pediu o monge a Abraham dados sobre essa cativa, para se certificar de que a mãe de Samuel fora a sua amada noiva. E vendo que os dados coincidiam, tomou o rapaz a seu cargo, conseguindo pô-lo ao serviço do Rei de Portugal.



Machado e Zara acabaram por casar, depois de os mouros se terem feito cristãos, e dentro das muralhas da velha Tubuccí reinou, finalmente, a harmonia.
E, segundo reza a lenda, em memória do febril acesso de loucura de Samuel, Tubucci passou a ser chamada Abrantes.



Texto e Fotos da Net

domingo, 24 de abril de 2011

Dúvidas

- Mamã, tu e o papá vão separar-se?
- Porque perguntas?
- Porque quando fomos à Serra da Estrela o papá fez asneira no carro e tu gritaste com ele.
- Também grito contigo às vezes, não é?
- Sim.
- E achas que me vou separar de ti?
- Não.
- Ou que gosto menos de ti porque às vezes te grito quando fazes asneiras?
- Não.
- Então porque havia de me separar do papá?
- Pois, não.
- Mas porque falas em separação?
- Vi na televisão.


Eu acho que algum dos amigos falou no assunto na escola, e ele teve medo, mas safou-se bem nas argumentações.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Paleontólogo

- "Bábá, quando crescer quero ser paleontólogo."

- "E tu sabes o que isso é?"

- "Claro que sim, são os senhores que procuram as pégadas dos dinossauros, que é o que quero fazer quando fôr grande."

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Experiências

Enquanto jantavamos num restaurante que tinha por cima da mesa um candeeiro, diz o Xani:

- Mamã, vamos testar uma hipótese. Se este candeeiro estivesse a andar de um lado para o outro não tinhamos tanta luz.


Ok, ele tem 4 anos, daqui a mais 2 creio que posso esperar chegar a casa e ter a cozinha transformada num laboratório!

sábado, 2 de abril de 2011

Sensibilidade e Bom Senso

Estive fora uma semana e morri de saudades do meu Xani, foi mesmo o que mais me custou estar tanto tempo sem o cheiro do meu menino, e sem o poder abraçar.

Quando cheguei percebi que de facto ele tinha sentido saudades minhas, embora no decorrer da semana ele esteve tão embrenhado na sua rotina, que pouco tempo me dedicou, mesmo se eu lhe ligava duas vezes ao dia, de manhã e à hora do jantar - exactamente às mesmas horas que ele está habituado a estar comigo. Mas a semana passou para ele sem grandes alterações, felizmente mas senti-lhe a necessidade de me contar as coisas que o tinham entusiasmado e que eu não tinha tido a oportunidade de partilhar, como a ida ao cinema, ou a viagem de tractor e a sua grande aventura de montar um cavalo.

Mas lentamente voltámos à monotonia do dia à dia e às coisas que ele descobre diáriamente e às surpresas com que sempre me presenteia.

Ontem ao ir buscá-lo à escola informei-o que iria dormir a casa da minha mãe, que está actaualmente com o meu avô devido ao seu estado debilitado. Ele ficou obviamente delirante, porque gosta muito dos fins de semana na companhia das avôs, mas de repente diz-me:

- "Mamã, quando chegamos aos 100, morremos?"

Eu sem sabe bem o que lhe responder achei por bem enveredar pela explicação religiosa:

- "Morremos quando Deus quer, não tem de ser aos 100, pode ser antes ou depois."

-"Mamã, falta muito ao avô para morrer?"

Fiquei sem fala, porque sei bem que essa é uma ideia que a todos na familia tem andado a pairar nas mentes, mas nós somos adultos, não dizemos tudo o que pensamos, ao contrário de uma criança de 4 anos, que tem o coração na boca.

- "Amor, todos nós um dia vamos morrer, mas não sabemos quando, por isso sim o vôvô vai morrer um dia, como eu e tu."

Ele presentiu o meu incómodo e disse-me: "Estava apenas a tentar perceber."

======

Já em casa da minha mãe, fez com ela uma coisa que adora, foi às compras. Saiem de casa cedo, vão até ao café, andam até ao mercado, fazem as visitas obrigatórias à senhora dos legumes, ao senhor do talho, e sem esquecer a passagem pela charcutaria e o peixe.
Quando chega a casa está de rastos, cansado e com dores nas pernas, o que é bem compreensível pelos Km que percorre.
Hoje a minha mãe estava carregada de compras de um lado e de mão dada com ele do outro, foi quando ele a olhou e lhe disse:

- "Deviamos ter chamado o pápá, assim ele levava as tuas compras no carro e tu já não ias carregada."

segunda-feira, 21 de março de 2011

A Primeira Construção a Sério

Sexta feira enquanto terminavamos um longo jantar, o Alexandre já despachado foi brincar com os legos, um dos brinquedos favoritos e saiu isto:





Pela primeira vez fez sozinho uma construção que se percebeu, não uma arma imaginária nem uma máquina voadora, mas uma casa.
Uma casa com uma árvore e um banco (ou mesa).
Um artista criativo este meu puto!

sábado, 19 de março de 2011

Dia do Pai


"Gosto muito de ti porque ajudas-me a tomar banho"

quinta-feira, 17 de março de 2011

Frase de Engate





Na passada Sexta Feira fomos a casa de uns amigos para um aniversário, o Alexandre teve por companhia uma bonita menina da mesma idade, a Ritinha.
Muito brincaram e pularam os dois, creio mesmo que houve adultos que se sentiram preteridos nos afectos trocados entre os dois pequenos.
No meio da brincadeira, salta daqui, faz casinha dali, apanha a bola acolá, estavam os dois a brincar no sofá quando o Alexandre olha a Ritinha nos olhos e lhe diz:

- "Ritinha, não é melhor tirares os sapatinhos."

E as raparigas de hoje são muito mais desinibidas do que antigamente e mesmo aos 4 anos já compreendem que os homens, em algumas ocasiões são bastante sábios, talvez por isso a Ritinha não se tenha questionado sobre as reais intenções do seu pequeno companheiro, e sem medos ficaram ambos descalços enquanto pulavam e bricanvam até às 3 da manhã, como uns verdadeiros guerreiros contra o sono.
A Ritinha não sei, mas o meu engatatão quando chegou a casa, ressonava no colo do pai.

terça-feira, 15 de março de 2011

Gorda

Estavamos todos à mesa, e eu brincava com o meu marido, já nem me lembro sobre que tema, mas acabei dizendo:
- "Sim, eu já sei, estou gorda!"

O miudo olha para mim e diz-me,

- "Mamã, tu não és gorda, o papá tem a barriga assim (e afasta a sua própria mão da barriga, como quem diz que o papá tem uma barriga grande), mas tu tens a barriga assim (e fecha o punho, como quem diz a tua barriga é inexistente) por isso tu não és gorda, és linda e o papá também."

Sempre na senda do sucesso :)

quarta-feira, 9 de março de 2011





É impressionante como uma criança de 4 anos pode ser sensível e atenta.
O meu avô, embora tenha conseguido vencer o cancro que o atacou há 2 anos, não tem sido tão bem sucedido em reanimar-se, anda deprimido e frágil, muito frágil. Arrasta os pés, tropeça e cai com muita frequência, aborrece-se com tudo e todos, pouco fala e nada o distrai.
Nem o facto de estarmos todos juntos no fim de semana o parece animar, o que aconteceu esta semana. Estivemos todos em família no Sábado e no Domingo, mas como a minha mãe ia trabalhar na Segunda, voltámos cada um para sua casa.
No carro, quando já vinhamos de caminho pergunta o Alexandre: “Babá, se tu vais trabalhar o vôvô vai ficar sozinho em casa.”
Como sabia que íamos passar os dois dias seguintes em casa achou que era óbvia a pergunta seguinte: “Vôvô, queres vir ficar a minha casa?”
Adoro a rapidez de raciocínio e a forma como o coração dele é GRANDE.

terça-feira, 1 de março de 2011

A primeira viagem à neve




Fomos pela primeira vez à neve com o Xani.
Passou o fim de semana numa excitação extrema, de tal modo que nos contagiava a nós, e todas as noites lá fomos dormir ás 10 da noite, não sei se por solidariedade ou se de facto por necessidade.
Adorou o facto de ter ido dormir num hotel, embora já tivesse acontecido anteriormente acho que é sempre uma grande aventura.
Sentiu o frio no rosto como nunca antes tinha sentido, tocou na neve e achou-a dura e gelada, sentou-se no trenó e deslizou como gente grande, sem medos.
Atirou bolas de neve e farrapos em guerra aberta aos pais, e sorriu e gargalhou como uma criança deve fazê-lo, sempre sem medos e com a certeza de ter por perto uma mão firme para o apoiar, o ajudar a levantar se cair e proteger das agruras da vida.

Ao mesmo tempo que o meu filho vivia a sua vida, sendo feliz como uma criança deve ser eu lia no jornal que há crianças para quem o SOL não brilha, e ao ler senti um nó na garganta e a impotência de quem nada faz para mitigar noutras crianças a dor da doença, do abandono e ainda da total falta de empatia ou solidariedade de quem os devia, senão amar e proteger, pelo menos cuidar.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Morte

A morte é para o Alexandre o desconhecido, sabe que existe, ouve a palavra, brinca com ela com o desprendimento de quem nunca passou pela dolorosa experiência de perder alguém.

Sexta feira o avô do meu marido faleceu, o bisa que o Xani tanto gostava nunca mais vai fazer parte da sua vida.

Passou o fim de semana na minha mãe para o protegermos do mundo, falámos eu e o pai de o preparar com amor e carinho para a perda, a dor, embora com a certeza de que não seria capaz de entender, pois a experiência dizia-nos que o desapego perante a palavra era total.

Domingo à noite, no aconchego da cama falámos-lhe com o coração nas mãos dissemos que o bisa tinha tido um doí doí grande e que tinha ido para o céu, a resposta foi cruel:

-"Foi para o cemitério. Agora vai andar assim" - e curvou-se sobre si mesmo.

Continuamos a falar-lhe e explicámos que o avô tinha ido para o céu e que não voltava, que seria para sempre uma estrela na vida dele e que o iria guiar, ser o seu anjo da guarda.

Nesse momento a cara dele fechou-se, e desatou num pranto, dizendo que queria o bisa por perto, que no domingo anterior tinha estado a comer castanhas com ele e que se tinha esquecido de lhe desejar as melhoras na altura da saída, e que o queria na casa dele de sempre, que não precisava dele no céu mas por perto.

Chorou durante uma hora, e quando acalmou disse que ia dormir muito triste, nem durante a noite se esqueceu, pois acordou a dizer que estava a acordar muito triste e que tinha saudades do avô.

Disse também que ia fazer um desenho só para o bisa e que o atiraria ao céu para ir ter com ele.

Por vezes, e exactamente nas alturas em que menos esperamos e nas que desejamos que não aconteça, as crianças surpreendem e entendem bem demais o que lhes queremos explicar.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Regras

Que as crianças precisam de regras é do conhecimento geral, mas a avaliar pelo meu filho, não só precisam como as apreciam.

Há uns dias, na ida de rotina ao médico, este perguntava-lhe quem eram as professoras, e ele respondeu as duas, embora na realidade uma seja professora e a outra auxiliar, depois de muito puxar por ele confessou a sua preferência pela auxiliar.

Quando contei à professora a conversa, pensava eu que a auxiliar brincasse mais e fosse mais permissiva, mas o facto é que de acordo com a professora é a auxiliar que põe os meninos mais na ordem.

Sempre que vou buscar o Xani à escola ou assim que chega a casa, diz a tradição que falamos do que se passou durante o dia, como se portou, como correram as aulas, o que aprendeu, quais as brincadeiras, tudo no geral, gosto de estar a par.

Quarta feira é dia de ginástica, de quando em vez mudam os professores, seja por doença ou impossibilidade e um destes dias a Joana foi substituída pelo Sérgio,e diz o meu filho que ele os põe em linha, e que os avisa que se se portarem mal os pendura no candeeiro ou lhes cola o rabo ao chão, perguntei-lhe se por acaso já tinha acontecido algum dos meninos ter ido parar ao candeeiro, e ele respondeu incrédulo:

- Claro que não, ele não está a falar a sério, mas todos nos portamos muito bem.

As regras são fundamentais na educação de uma criança e ela sabe isso tão bem ou melhor que a maioria dos adultos.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

O meu pequeno super heroi

Agora anda com a mania de disparar para todo o lado, arma em punho sempre que nos apanha distraídos.

Cá em casa não entram armas, e ele sabe bem que assim é, no entanto, diz o ditado que a necessidade aguça o engenho e dei com o pirralho com uma caixa de um brinquedo encostado ao ombro, em jeito de metralhadora, e ele encostado à parede com ares de agente secreto preparado para entrar em acção.

Olhei-o e chamei-lhe a atenção:

- Alexandre sabes que não gosto de armas, nem que andes a brincar aos maus.

Mas desta vez ele desarmou-me.

- Mamã, se queres ter uma vida boa, tens de deixar-me proteger-te. Os maus vêm aí, para te proteger, tenho de matá-los!

Apeteceu-me dizer-lhe no meio de uma gargalhada:
- Filho, se é para me proteger e dar uma vida boa, mata lá os maus à vontade.

Mas controlei os impetos

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Vontades

-Mãmã, quando eu fôr grande posso ir conhecer o mundo?

-Podes, claro.

-Boa, então vou ser piloto de aviões, e construtor de aviões para ir visitar a Espanha, Casablanca e outros.

Se me levares na bagagem, eu agradeço!!!!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Nossa Senhora





O trabalho de casa foi desta vez nada fácil, uma Nossa Senhora de sacos plásticos.
Para este trabalho tivemos a colaboração da madrinha, e o resultado final está algo de que muito me orgulho.
A cara foi obra do Alexandre e do pai, o restante da madrinha e meu.
Não está LINDA?

Festa

No fim de semana tivemos a festa do melhor amigo dos Xani, e como é óbvio ele não podia faltar, tanto durante o dia enquanto as crianças se entretinham num desses parques de diversões, como na festa da noite para os graúdos.

E que mãe orgulhosa eu me senti quando no fim do dia lhe disse que ele tinha sido o menino mais lindo do mundo por se ter portado à altura das nossas expectativas, muito bem.

Quando no dia seguinte me contou como se tinha divertido, contou também as peripécias e atribulações da festa no parque, na qual não estivemos presentes, então dizia ele que tinha subido para um túnel amarelo, onde teve um bocadinho de medo,mas depois quando deu por ele estava num escorrega a cair dentro de uma piscina de bolas, e que tinha sido fantástico e que o medo tinha logo passado.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Na cozinha

Hoje enquanto se lambuzava com uma maçã assada, disse-me carinhosamente:

- Mamã, és uma excelente cozinheira.

Fiquei tão contente que lhe respondi:

- Nem imaginas o quanto isso é importante para mim.

sábado, 20 de novembro de 2010

Preocupações Estéticas


Enquanto jantávamos pizza - para ele é uma festa, porque não acontece com frequência - e depois de ter comido uma fatia de pão de alho, pediu para repetir, ao que eu lhe respondi que depois de comer 2 fatias de pão de alho dificilmente teria vontade de comer uma fatia de pizza, a rapidez de raciocínio foi assustadora:

- Se comer 2 fatias de pão de alho e uma fatia de pizza vou ficar gordo?

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Aniversário

No dia do aniversário, já de casaco vestido e mala na mão - prontínha para sair para o trabalho, atrasada como habitualmente uns bons 20 minutos - tive a desagradável surpresa de perceber que o pirralho tinha escondido os sapatos e não os conseguia encontrar.

Procurou ele a casa toda, procurei eu, revirámos a sala, o meu quarto, o dele, o escritório, cheguei a ver atrás do cesto da roupa suja no meu quarto de banho e nada de sapatos.

Caso ele tivesse outro par de sapatos isto não seria grave, mas a verdade é que depois de tanto sapatinho estragado em tão pouco tempo, os últimos duraram 3 meses, desisti de ter mais do que um par, um erro como pude verificar.

E os 20 minutos de atraso habituais, a chegarem a uns penosos e longos 40.

Eu já estava em ponto de rebuçado, acho que só não lhe dei uma palmada por ser o dia de anos do puto, mas ainda lhe gritei:

- Onde é que escondeste os sapatos!!!!

Ao que ele tranquilamente me respondeu:

-É estranho, não os deixei na escola, deve ter sido o papá a guardá-los

- Alexandre, o papá está na Tunísia, é difícil que tenha sido ele.

- Então se calhar foi a Puska.

Mais uma vez a perder as estribeiras:

- Onde é que enfiaste os sapatos!!

Assim, e como não se conseguia descortinar onde é que o sacana do miúdo tinha encafuado os sapatos expliquei-lhe o que iria acontecer - ou ele ia de meias ou de pantufas para a escola, pelo berreiro percebi que as meias não eram opção, já as pantufas fofinhas, quentinhas e com um divertido comboio bordado não levantaram questões e lá as calçou.

Estava já de porta aberta, quando por descargo de consciência fui dar uma última volta pela casa - é que custava-me ver o miúdo ir para a escola de chanatos - e, por acaso, levantei o banquinho que ele tem no quarto de banho dele para o ajudar a sentar na sanita, "et voilá", os sapatos bem metidos debaixo do banco, que é oco por dentro.

domingo, 7 de novembro de 2010

Aniversário

Fizemos 4 anos no passado dia 4 de Novembro.
4 anos de brincadeira, de aprendizagem, de cantorias e birras, de mimos e carinhos, de puxões de orelhas e ralações.
Os melhores 4 anos que uma mãe pode desejar, embora com a dose natural de abdicações que ter uma criança implica, mas sinceramente não me importo de tudo o que tive de abdicar pelo meu filho, tive a recompensa em dobro.

No dia do aniversário o pai estava a viajar, depois de muito o termos avisado que isso iria acontecer, conseguimos que ele apenas tivesse mencionado o facto de o pai não estar presente, divertiu-se como se todos estivessem por perto, os padrinhos e as avós estiveram a jantar com ele, foi inundado de mimos e brinquedos, com dificuldade em fazer escolhas, porque quando a oferta é muita, é difícil cingir-se, além do mais ele não gosta de magoar os sentimentos de ninguém.

Foi um dia tão cansativo, cheio de brincadeira com os amigos, e festa - lá fui eu de bolo do homem aranha atrás para os amigos na escola lhe puderem cantar os parabéns - que quando caiu na cama foi uma pedrinha.

Obrigada amor, pelos últimos 4 fantásticos anos que me tens proporcionado.
Amo-te mais que a vida.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Dia das Bruxas

Amanhã é dia das bruxas na escola, não é uma tradição cá de casa festejar estes dias, mas quando se está em Roma, pois temos de ser romanos.
Os meninos têm assim, amanhã, a possibilidade de se mascararem, se quiserem.
A malta não está propriamente abonada, e as máscaras além de feias são caras, então, lembrei-me de pegar num lençol, e fazer-lhe uns furos para os olhos e boca. Entretanto não resisti e no supermercado arranjei-lhe uma máscara para a cara, depois foi só cortar, o resultado está à vista, coisinha medonha, mas que lhe vai fazer as delícias do dia.
Para as educadoras comprei uns fantasminhas brincalhões de chocolate para não ser sempre a lembrança de Natal.





quarta-feira, 27 de outubro de 2010

No toys r'us

No meio de tantos carrinhos e bicicletas e legos e brinquedos num nunca mais acabar, gajo que é gajo vai direitinho aos 4 rodas.

Ele experimentou todos, o Ferrarri formula 1, o descapotável, a moto 4, e ainda os tractores.

Ele meteu mudanças fingindo que acelerava, rodava o volante e olhava pelo retrovisor, e saia de um para logo se ir montar no outro.

Num verdadeiro corropio de modelos e cores, carros grandes e pequenos - ia dizendo, com os olhos brilhantes e um sorriso rasgado:

-"Fogo, isto é mesmo fixe meu! Olha lá mamã, é mesmo coisa de homem."

Google

Ele - "Mamã, sabes o hino do porto?"
Eu - "Não"
Ele - "E o hino do Benfica?"
Eu - "Também não"
Ele - "Vou perguntar à Carmo (uma das educadoras), ela é do Benfica deve saber o hino."
Eu - "Eu sou do Porto e não sei cantar o hino do meu clube."
Ele - "E se a Carmo não souber."
Eu - "Se a Carmo não souber, a mamã pergunta a um amigo dela, o google."
Ele - "E eu posso conhecê-lo?"

A inocência é uma coisa tão doce!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Lego

















No fim de semana acordou às 8 e eu meia estremunhada de sono, disse-lhe para ir brincar enquanto que eu ia ficar a dormir.

Quando acordei, levantei-me para o ir arranjar e irmos passear ao jardim, para meu espanto tinha tirado uma das caixas dos legos - há para todos os gostos, um quartel dos bombeiros, uma prisão e ainda um sortido que lhe faz as maravilhas da imaginação, sendo que é o mais utilizado, os outros somos nós papás que montamos.

Desta vez surpreendeu, foi buscar a prisão e montou, tudo, sozinho!

Adoro este miudo

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Orgulho de mãe

Hoje fiquei babada de orgulho, fui buscar o meu mais que tudo à escola e em conversa com a educadora dele ouvi maravilhas do meu pirralho.

Que ao contrário dos outros meninos come sem reclamar sopa, mesmo sem ser passada, peixe ou carne e todo o tipo de legumes.
Continua um rapazinho participativo e interessado, e agora - em comparação com o inicio do ano, depois de 1 mês inteiro de férias e de mimo de avós - bastante mais atento.
Que é amável, meigo e que é muito inteligente.


Tem 1 defeito, gosta de falar - pelos cotovelos - o que no dia a dia da escola acaba por o prejudicar quando tem de fazer os trabalhos, porque o atrasa no decorrer dos trabalhos. E embora agora esteja mais perfeito na realização dos trabalhos, costumava fazer tudo à pressa para poder ir brincar, mas depois de eu tanto o ter treinado com trabalhos de casa, agora está uma perfeição!

Para um miúdo prestes a fazer 4 anos está muito beme nas palavras da educadora, com muitas pernas para andar no futuro!

Não é um orgulho!?

domingo, 17 de outubro de 2010

Coisas que gosto de ouvir

"Mamã, sempre quis ter uma mamã como tu."

Gostei de o ouvir dizê-lo com um sorriso nos lábios, enquanto me abraçava e mimava, sem ser por interesse, mesmo só com o sentimento à flôr da pele, mas a pergunta que se impõe...será que ele teve outra mamã antes, para saber que sempre quis ter uma igual a mim???

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Sorriso

Hoje como trabalho de casa estivemos a fazer um bilhete de identidade, para depois levarmos para a escolinha e ir enfeitar a sala.

Tivemos de arranjar uma esponja de carimbo para ele pôr a impressão digital, escrever o nome dele, o do pai e o da mãe, escrever a data de nascimento e a morada, bem como arranjar uma fotografia do boneco todo giraço!

Ora na parte de trás do BI tinhamos uma cartolina inteirinha para desenhar, pintar, brincar, e assim foi um papel prontinho a servir de plateau para o mundo dos sonhos a cores. Pintou dois meninos pequeninos - eu e o pai - e por minhas sugestões,uma árvore, uma flor, uma casa, relva, o mar e o sol.

Desenhou também um menino fez-lhe inclusivamente uma camisola verde, dois braços, cada um com 5 dedos, 2 pernas com sapatos, a cara tem vindo a melhorar consideravelmente, agora já tem olhos, sobrancelhas, cabelo e orelhas, e claro está a boca.

Qual não foi o meu espanto, quando depois do puto ter desenhado a boca se vira para mim e me diz:

- " Não estou a sorrir....deves ter-me mandado fazer qualquer coisa!"

Ora não está bom de ver quem é a má da fita cá por casa!!!!

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Fim de Semana

O pai e a mãe foram dar uma volta a Espanha, porque também merecem uma pausa, e uns dias a sós fazem renovar os ares, e acender as paixões!
O Xani ficou com a avó e portou-se bem, foi passear até À Ericeira e ainda conseguiu ir visitar os bisas, enfim, um fim de semana de mimo foi o que lhe ofereceu a vóvó Lena.

Á segunda feira, na escola desenha-se o que se fez no fim de semana, e foi ai que o pirralho deu asas à imaginação e desenhou a avó, dizendo que o fim de semana tinha sido passado na sua companhia, mas que no fundo estava triste porque gostava de poder passar todos os dias com o papá e a mamã.

Caramba, não há nada como um puxão para a realidade pelo puto para perceber que a paixão pode ser reinventada todos os dias, e ele não tem necessariamente de ficar de fora.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Pilinha

Não percebo bem porquê, mas deve ser uma cena de gajo ter a mão nas partes íntimas, coisa que abomino e que ele de certeza nunca viu ninguém na família fazer, mas há tanta má influência exterior difícil de controlar.

- Alexandre, tira a mão da pilinha.
- Mamã, é que eu gosto muito da minha pilinha.
- Eu acho bem que gostes da tua pilinha, mas desde que não ponhas a mão que é feio - disse eu enquanto tentava controlar os sorrisos.
- Mamã, quem não gosta da sua pilinha não tem bom coração pois não?!
- É verdade amor, quem não gosta da sua pilinha não pode ter bom coração - nesta altura deixei de tentar controlar a gargalhada porque já não foi possível.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

De volta!!

Hoje terminam oficialmente as férias do babe, claro que é por pouco tempo porque na sexta feira zarpamos para o Algarve por 1 semana inteirinha, o que é mesmo fixe é que ele está a chegar a casa, e eu tenho tantas saudades do meu menino!!!

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Bad boy

De acordo com os relatos da avó, o reguila portou-se como um verdadeiro pirata hoje, e sabendo quando falou comigo ao telefone disse-me:

- Mamã, hoje não fui um menino muito bonito para a babá, acho que ela tem de me dizer as regras cá de casa outra vez.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Sons e férias

Está tão crescido o meu menino, já não é um bebé, já nem bochechas tem, e o meu relógio está a fazer tic tac por um recém nascido...
Estive de roda das fotos dele de quando era pequeno e tive tantas saudades...
Entretanto ele está de férias com a avó, o que me deixa com um misto de sentimento de culpa por estar satisfeita por ter um pouco de sossego, e umas saudades que me consomem, e é nessa altura que ele experimenta:

Senta-se no escadote, pega no mata moscas e diz à bábá - "vou pesquisar e estudar os sons da minha bateria."

Acho que vou ter de perguntar novamente ao médico na próxima consulta se ele tem mesmo a certeza de que o meu filho é sobredotado ou se todas as crianças de 3 anos e meio usam esta linguagem!!!!

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Progressos

Ora pois que temos uma grande mudança, conseguimos dormir sem luz!!!
Há já 4 dias que o Xani dorme sem a luz do corredor acessa, pediu para ter o estore para cima, para poder ter a luz da rua.
Adormece a ver a lua, os carros, as árvores, tranquilamente, sem ter que se ralhar, sem gritar, nem chorar.
Estamos orgulhosos!!

sábado, 15 de maio de 2010

Pivete

O pai tinha deixado o Alexandre sentado na sanita, passados uns minutos o puto gritou por ele.
O pai chegou à casa de banho e perguntou se ele já tinha terminado, e ao mesmo tempo disse em tom de brincadeira:
- "Cheira-me que sim"

Ao que a criança lhe respondeu:
-"Porquê, cheira-te a pivete!!!!"

Pode ser uma piada mal cheirosa, mas foi uma resposta certeira!!

terça-feira, 11 de maio de 2010

Cô de Rosa

Ontem dizia-me o Xani enquanto íamos para casa:
- Mãe, acho que devia ter sido menina.

Acho que no segundo seguinte a minha vida futura me passou pelos olhos, que afinal eu até já tinha pensado em como reagiria se o meu filho me dissesse que era homosexual, e que nada ia mudar os meus sentimentos por ele, mas que nunca esperei que fosse tão cedo, e que nem me parecia possível uma criança de 3 anos ter essa consciência, mas que fosse como fosse, eu ia amar sempre o meu filho independentemente das escolhas que ele fizesse, agora ou mais tarde.
Recuperei o folêgo e disse-lhe:

- Então mas porquê?
- Eu gosto do côr de rosa e é uma côr de menina.

Acho que fiquei mais tranquila e ri-me a bom rir.

domingo, 2 de maio de 2010

Dia da Mãe

Sexta feira foi dia de festa de dia da Mãe na escola. Parece que me atrasei e ele já estava triste e desanimado, a festa era às 16 horas eu cheguei às 16.15.
A verdade é que às 5 da manhã acordou e foi ter comigo à cama, perguntou-me se era o dia do lanche, e quando lhe disse que sim ficou eufórico, recusou-se a dormir de novo, porque queria era ir para a festa - a quem sairá esta peste que tanto gosta de festa!!!
A muito custo consegui que por volta das 7 da manhã pregasse o olho, mas assim que o tentei levantar e me disse que tinha sono, pois pudera, levei-o à certa pois disse-lhe que se não se levantasse não ia haver lanche, foi num ápice que ele ficou fresco e fofo.
Recebi uma prenda, dentro de uma caixa de cereais decorada com estrelas e pinturas que ele próprio fez, estava um livro de receitas com uma capa também ela trabalhada pelo meu boneco, e um quadro com um desenho de como ele vê a mãe - eu tinha cabelo, olhos, boca, braços e pernas, o que não era necessáriamente mau, já os vi piores!!! Mas a declaração de amor do meu filho, essa sim foi uma seta direitinha a um pobre coração de mãe, que se derrete em lágrimas de felicidade com tudo o que seu pirralho faz:
- "Gosto da minha mãe porque ela é bonita e linda." " A minha mãe brinca muito comigo."
E a canção que os pequenos prepararam para as mamãs babadas foi tambem maravilhosa:
"Se eu fosse gente crescida
E soubesse falar bem
Num abraço te diria
Que te adoro minha mãe"
Com direito a coreografia e tudo!!!

domingo, 11 de abril de 2010

Limpinho

Fomos jantar fora e o menu incluía um pão decorado com um pauzinho que o Xani prontamente se apoderou.
Enquanto jantávamos o menino brincáva com o pauzinho, no entanto, a certa altura o pau caíu no chão e ele não descansou enquanto não o foi buscar.
Passados uns largos minutos pegou no pauzito e voltou a cravá-lo no pão, eu disse-lhe que agora já não podia continuar a comer o pão, pois o pau tinha caído no chão que estava sujo e tinha certamente sujado o pão.
Ele agarra no pau, põe-no de lado, sacode o pão e diz:"Pronto, já limpei, posso comer?"

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Herois do mar

O miúdo tem 3 anos e 5 meses, nada mais que um bebe, mas eis a verdade, ele sabe cantar o hino nacional com todas as letras, do principio ao fim.
Sim sou uma mãe babada, e gosto!

sábado, 3 de abril de 2010

Gigantes

Na quinta feira quando o fui buscar à escola, para nos preparamos para um belo fim de semana grande em famíla, assim que saímos da garagem e chegámos à rua, o Xani presenteou-me com um comentário, como sempre, brilhante:
- Já viste que os dias estão mais longos?
- Sim filhos pois estão.
- Agora saímos à rua e ainda é dia.
- Pois é meu amor, e sabes porquê?
- Sei, é porque chegou a Primavera. E agora os dias estão gigantes, gigantescos!!!

Ri-me até casa com a utilização sempre pertinente das palavras que vai aprendendo. Que criança maravilhosa este meu filho!

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Vaidosa

Dizem que da boca das crianças sai a verdade!
Pois que eu nasci para ser rica, mas quando escolhi os progenitores errei o alvo, fui lá pelo amorzinho, em vez de ir pelo dinheirinho. Ora isso nota-se nas mais pequenas coisas, por exemplo, sempre que uso uns brincos que não sejam de ouro, ganho uma alergia feia, que me deixa o lóbulo da orelha em ferida.
Ora ontem o meu filho observava-me enquanto eu punha os brincos, e perguntou-me:
- Porque estás a pôr brincos?
- Para ficar bonita, não gostas de ver a mãe de brincos?
- Gosto, mas isso não te faz ferida?
- Sim.
- És muito vaidosa!!!!

quarta-feira, 31 de março de 2010

Arreliado

- Estou arreliado!
- Porquê filho?
- Porque sim, mas não é com a minha família nem com os meus amigos, é comigo.
- Mas o que fizeste tu para estares arreliado, meu amor? Portaste-te mal?
- Não, não me portei mal, mas estou arreliado.
- Sabes o que significa arreliado?
- Não, mas estou!

sábado, 20 de março de 2010

O pai ralhava-lhe por uma qualquer razão que já nem me lembro, e dizia-lhe que se ele não se portasse bem ia deitar fora a prenda nova que lhe demos - um quartel dos bombeiros, com carro e helicoptero, tudo desmontável desse criador de sonhos que se chama LEGO.

Ele estava desolado, mas ainda assim conseguiu entre um soluço e uma lagrima dizer ao pai: deitar fora não papá, dá a um menino pobrezinho.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Palavras Caras

As palavras difíceis saiem-lhe com a facilidade de quem as trata por tu, sem rodeios, sem medos.
Tem uma dicção digna de inveja por muito político da nossa praça, e um português correcto, com um ou outro engano no tempo verbal, mas não me parece anormal tendo em conta que os seus "largos" 3 anos ainda não lhe trouxeram a experiência suficiente para se movimentar isento de erros pela fluidez da língua portuguesa.
Nos últimos tempos temos-lhe ouvido expressões como "Tu nem imaginas!", muito "litle me", ou "impressionante", que sinceramente não sei bem onde ouviu.
Também não se coibe de fazer lógicas associações como na semana passada, quando eu lhe dizia que precisava de arrumar os brinquedos, e que tinha de escolher entre ver um filme ou brincar, e que mesmo se quisesse brincar teria de escolher entre os legos e os livros para desenhar, que não se admite ter a casa toda desarrumada porque o menino quer brincar.
Com um ar sereno, de quem sabe muito bem o que quer da vida, olhou-me nos olhos e disse com todas as letras:
"Mamã, tens de perceber que eu sou só uma criança"

Toma lá que já levaste que contar!

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Doce

Mesmo estando numa fase ...dificil, não deixa de ser um doce, este meu menino de oiro. Quando o pai o vai buscar, se chega a casa e não me vê logo à porta, procura-me e vai perguntando: "Estás bem?"

Coisa mai linda!

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Resposta na ponta da língua

No fim de semana, enquanto vestia o puto disse-lhe:"bora lá pôr-te todo pipi para irmos passear"
- Oh mamã, os meninos não têm pipi!

Vamos ter uma menina na familia, a mulher do tio querido está grávida e sabemos que vai ser menina, os tios ainda não escolheram o nome, mas o Xani já e está a suscitar-lhe algumas questões, senão vejamos, ontem no caminho que fica entre o colégio dele e o centro comercial onde lhe dissemos que iamos comprar prendas para a prima pergunta ele:
- Mamã, a prima Mariana está na barriga da Betty?
- Sim, está, já sabes que o tio pôs a sementinha na barriga da Betty e que agora vai ficar quentinho e aconchegado lá até crescer num bébé lindo.
- A Betty abriu a barriga?
- Não, o bébé ainda não vai nascer já, não precisa abrir a barriga.
- Mamã, se está lá teve de entrar de alguma maneira!!

Caramba, o míudo tem 3 anos, não podia deixar estas coisas para mais tarde, sei lá quando tivesse uns 40 anos, é que eu não estou ainda preparada para perguntas difíceis, bolas!

domingo, 24 de janeiro de 2010

Maturidade

É verdade que a rebeldia ainda não passou, e que de vez em quando lá está ele a esticar a corda, a olhar-me de lado enquanto me grita que não, e esperneia e chora no castigo.
No entanto, espanto dos espantos, quando não está neste desafio diário dá para perceber que ganhou...maturidade.
É estranho, mas de uma semana para a outra parece que as conversas são mais adultas, as palavras são escolhidas com um cuidado acrescido aquele que já nos tinha habituado.
Desde sempre nos brindou com palavras caras, é verdade, desde cedo nos habituou a dizer tudo correctamente, desde que começou a falar que lhe entendemos a facilidade com que brinca com as palavras e estas lhe são naturais, mas agora percebemos que não são só as palavras, são as atitudes - no meio de todas as outras que me exasperam e me tiram do serio - quando está sem querer saber onde pisa o risco percebemos que está um homenzinho e não é só o corpo que está a crescer, é tudo o resto e neste momento é o raciocínio que se destaca.
O meu bébé está um crescido, e eu estou orgulhosa dele...e de nós.
O meu maior medo enquanto mãe de primeira viagem, quando fiquei grávida, era não ser capaz de fazer um bom trabalho, depois de ele nascer e ser um verdadeiro anjinho - ainda hoje eu sei que me queixo de barriga cheia, porque mesmo com as birras que vem fazendo quando lhe dizemos não e ele percebe que não vale a pena, desiste, tem personalidade forte, mas a inteligência suficiente para perceber quando parar - achei que o ia estragar por não saber explorar o diamante em bruto que tinha nas mãos, mas...estou a saber fazê-lo e no fim do dia nada mais importa do que o trabalho que faço com ele, porque será esse trabalho que no futuro vai ditar se fui ou não uma mulher de sucesso.
A familia é a pedra basilar da minha vida e o meu filho o meu maior desafio.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Rebeldia

Não sei se os 3 anos é uma idade de viragem, de mudança, se acontece com todos e se daqui em diante será sempre pior, mas a verdade é que me corta o coração ver que o Xani perdeu a doçura de bébé.

Agora não há dia em que não grite, espernei, levante a mão, bata o pé. Quando ouve a palavra "não" ou qualquer coisa não lhe corre de feição, lá vem uma birra, uma contenda, uma batalha perdida e um castigo.

A continuarmos assim a vida dele em casa vai ser passada sentadinho no banco do castigo de lágrimas no rosto e rouco de tanto gritar que não, que não quer e que não gosta.

Por tudo e por nada, porque não quer comer, porque não quer tomar banho, porque quer brincar, porque quer ver um filme, porque o Panda está a cantar, porque quer comer, porque quer tomar banho, porque não quer brincar, porque não quer ver um filme, porque sim e porque não.

E ele grita e eu grito, e ele bate-me e eu bato-lhe e que me arrependo, e que fico doente por pensar que lhe dei uma palmada que me doeu mais a mim que a ele, mas que não há razão para perder a cabeça, e que depois me pede desculpa e diz que me ama, e diz que sabe que me faz partir o coração e promete não repetir, para recomeçar tudo no dia seguinte.

Não sei se é uma fase de rebeldia que está a atravessar, ou se é o escorpião nele a mostrar as pinças, a verdade é que de há uns dias para cá não o entendemos, nem ninguém se entende com ele.

Estou triste porque sinto que perdi o meu bébé e que ele não volta mais.

domingo, 27 de dezembro de 2009

As prendas de Natal





Pois que afinal eu estava muito enganada quanto ao facto de ser preciso mais uns anos para que o Xani pudesse começar a sua própria orquestra, basta um Natal para que isso se faça rápido, rápido.

Ora ele teve um saxofone, um xilofone e ainda um piano, já para não falar dos outros brinquedos interesantes que envolvem tintas, canetas de feltro, plasticinas, um não acabar de dores de cabeça para uma mãe que gosta de manter a sua casa intacta e sem pinturas adicionais, mas que tem também a certeza que se o seu boneco puder desenvolver a sua veia artística, seja por via da música, seja por via das cores, vai ser certamente muito mais feliz.

Teve também puzzles, muitos e coloridos e variados que lhe vão fazer trabalhar a cabecita, e também legos que lhe vão pôr a imaginação a trabalhar.

O Xani deve ter sido um menino bem comportado durante o ano porque o Pai Natal foi muito generoso. Para o resto da familia também, mas particularmente gostaria de agradecer à Goldfish a melhor prenda que eu poderia ter recebido, quando me disse que o meu filho estava muito bem educado!

texto escrito a 18/12/2009

O Alexandre teve um encontro imediato com o pai natal e as suas renas (num centro comercial, pois está claro) e ao sentar-se no seu colo para que lhe tirassem uma fotografia, já depois de uma longa conversa em que lhe disse o nome e a idade pediu-lhe de prenda de natal um saxofone!

Lá em casa já existem 2 flautas, 2 tambores(que de quando em quando desaparecem de forma misteriosa)um orgão - que está cuidadosamente arrumado em cima de uma prateleira, e ainda uma guitarra que se descansa por casa de uma das avós.

Com um saxofone a caminho em breve teremos a orquestra pronta para ele poder dar largas à sua veia musical. Como ele continua a insistir que quando fôr grande quer ser maestroa acho que logo, logo vai começar a distribuir os seus instrumentos musicais pelos membros da familia e amigos para se poder treinar na arte de conduzir os "seus" musicos.

Eu até já me estou mesmo a ver a tocar ferrinhos!

Texto escrito em 16/12/2009

Hoje à saída da escola o Xani levou-me pela mão até ao hall de entrada do colégio para me mostrar, pendurada na enorme árvore de natal comunitária a "sua" rena lá pendurada.

Acho que ele estava bastante orgulhoso do meu/nosso trabalho! :)

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

BES

"Mamã, mamã....eu vi a luz,
e vi paredes brancas, mesmo brancas;
e torneiras que não pingam.
Eu vi a luz e é...branca."

Isto num sábado de manhã aì por volta das 8 da manhã enquanto eu apenas tinha coragem de esfregar um olho e depois o outro, mas lá lhe respondi:

" não amor, isso é o anúncio do BES, a luz é verde"

Ele olhando pela fresta entreaberta da porta:

"Não, para mim é branca, que eu estou a vê-la!"

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Circo

Ontem foi noite de circo, com os suspeitos do costume a serem os preferidos, os leões, os cavalos e os elefantes, a variação este ano foi que o Xani tirou uma foto com o Figo, sim esse mesmo, o jogador de futebol, ou a estrela de tempos idos da selecção.
O Figo ele nem sabe quem é, mas o circo, esse adorou!

sábado, 5 de dezembro de 2009

Bela Adormecida


O Alexandre teve mais um sábado cultural com as mulheres da família.
A mamã, a babá e a vovó levaram o seu menino ao Teatro São Carlos para ver a ópera a Bela Adormecida.
Ele já conhecia a historia e sabia bem que a princesa se ia picar no fuso por maldição da bruxa má e que no fim acordava com um beijo do príncipe.
Deixou bem claro que não gosta de bruxas e que nem a queria ver.
A peça em si não estava tão "mágica" quanto deveria, a encenação deixou - na minha opinião - muito a desejar.
Mas o xani gostou, ficou encantado com os lustres imponentes do teatro, com os cortinados que corridos o levavam a adivinhar o que estaria para lá deles, e afinal a verde bruxa má foi uma personagem apreciada. Claro que a imagem próxima do fosso da orquestra e os movimentos ora cadenciados ora vigorosos do maestro.
A música e o desempenho da mesma foi aliás, para mim, o melhor da ópera.
Depois da peça o lanche!
Adorou o chocolate quente do café di roma e deliciou-se com uma tijelada gigante.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

TPC II

O projecto desta vez foi decorar uma bola de papel gigante, com motivos natalícios. O Xani decidiu sozinho que seria , nada mais , nada menos do que decorada com 1 Pai Natal, 1 árvore e renas.
Na falta da máquina fotográfica para registar o momento vou descrever o evento.
Eu fiz o desenho de uma árvore e do rosto do pai natal - aliás o decalque descarado de umas revistas de bordados que têm umas ideias fantásticas, o xani pintou com todos os tons de verde que encontrou na caixa dos lápis de cera o interior da árvore, recortamos ambos 3 estrelas de um cartão vermelho para dar animo, e eu achei que um laço dourado no topo era uma variante engraçada à enfadonha estrela de natal. usamos paus de fósforos coladinhos bem juntinhos para dar à árvore um belo tronco.
O pai natal levou barbas de algodão, olhos de grão e um nariz feito da ponta queimada de um fósforo. O chapeu e o sorriso foram ambos de cartão vermelho garrido. Depois de tanta canseira o Xani acabou por perder o entusiasmo e o pai assumiu o resto da tarefa, e foi bem mais pratico que nós, pegou no fantástico saco de natal já anteriormente utilizado na rena, recortou o focinho das 2 renas propriamente ditas - como a que está na foto do post anterior, mas a mais bem feitinha, não a que eu idealizei - um saco de prendas e um pai natal.
A bola ficou formidável e a familia TODA participou.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

TCP

O desafio era colossal, fazer uma RENA (sem esquecer que os materiais tinham de ter em conta as preocupações de reciclagem do colégio) para pendurar na árvore de natal da escolinha.

O bicho não podia ter mais de 15 cm e não podia ser comprado na loja da esquina. Lá fui eu buscar inspiração na net, peguei nuns sacos de papel que lá tinha em casa - passando a publicidade foi um saco da zara home, outro da globe, um folheto do continente e um saco do natal passado todo fofinho cheio de renas e pais natal e estrelinhas lindas e brilhantes.

Foi nesse mesmo saco do natal passado que pensei, se a minha rena ficasse assim era uma beleza!




Muito fashion com brilhantes e tudo.

Mas sabia bem que não tinha talento para tanto!

Muni-me de tesoura, cola, caneta, régua e esquadro para o boneco não ficar demasiado disforme, arranjei também 2 molas de esferográficas e meti mãos ao trabalho, o que saiu foi ISTO tchan, tchan:



Gira não acham? LOL

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Cama grande

No Domingo iniciámos uma nova fase, foi com grande coragem que o Xani largou a cama de grades para se deitar na cama grande dos crescidos.

A princípio estava um pouco receoso - ele e nós, com medo que caísse da cama - e pediu-me que me deitasse a seu lado, e que lhe desse o cão de peluche que agora lhe tem feito companhia nas noites frias.

Depois de lhe ter dado uns 5 minutos de mimo, fiz o que costumo fazer sempre que ele me quer por perto antes de dormir, disse-lhe suavemente que tinha ainda de arrumar a cozinha e tratar da roupa dele, que voltava assim que pudesse, para lhe dar um beijo de boa noite e o tapar convenientemente, e que se ele estivesse acordado que me deitava a seu lado (coisa que nunca acontece, porque assim que viro as costas ele entra no mundo dos seus sonhos).

Dormiu muito bem, tranquilo, sem sobressaltos! No dia seguinte ao acordar nem saiu da cama, chamou para que o fossemos buscar, tal e qual o fazia na cama dos bébés.

:)

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

A vida imitando a arte

Só pode ter alma de artista uma criança de 3 anos que ao sair da escola, às 6 da tarde e ao olhar para um céu rosa forte, com recortes de núvens encaracoladas, diz: "Que lindo está o céu." Seguido de uma constatação ainda mais fantástica - "Adoro aquela lua."
Ele não gosta de lua cheia, nem de quarto crescente, o que ele gosta mesmo é de ver um risco minimo, de um branco puro e brilhante rasgando o céu.
Quando o ouvi pensei no meu pai, que com todos os seus defeitos, tem uma alma de nómada vagabundo a quem a arte foi roubada pela vida, mas que sempre teve um sentido estético fabuloso e uma sensibilidade encantadora.

E o céu estava de facto espectacular!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Perdoa-me meu amor


Hoje estou triste, gritei-te e nem sei se o merecias, e mesmo que fosse merecido porque me consegues exasperar logo pela manhã quando dizes que não te queres vestir, que não queres sair da cama, que afinal precisas é de brincar, que não queres lavar os dentes porque o que tu queres mesmo, mesmo é ir sentar-te na sala a ver um filme, ou fazer um puzzle. E as horas que não param e eu a ver-te chegar atrasado à escola, mas tu não queres ir para a escola porque queres que seja o dia da familia para ficares com o papá que já pouco vês, e a mamã que pouca paciência tem para ti e a Puska, que é na realidade a única que te demonstra o afecto que mereces.

E mesmo depois de te ter pedido desculpas e de me teres dito que me amas e que eu sou linda, senti-me um lixo. Porque não se grita a uma criança maravilhosa como tu, nem que o mereças!

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Oh cookie, tadinho do cookie

Confunde-me esta histeria colectiva que se gerou à volta da gripe A, claro que a temo, mas não a encaro como algo diferente de uma gripe, que caso estejam esquecidos, também mata.

Mas fico ainda mais cheia de urticária quando as pessoas, perante a possibilidade de terem o virus no seio das suas familias, gritam ao universo por ajuda, mas acabam por se ir enfiar nas festas em casa dos amigos porque se tiver de acontecer, acontece. Para mim, o facto de se ter contraido uma doença não é em si uma falta, antes uam eventualidade, já pegar no virus e distribui-lo pelas crianças dos outros, isso já me parece uma culpa!

Ontem o Xani chegou a casa dizendo que não tinha tido informática, mas antes inglês - aula que ele aliás diz não gostar, mas que segundo me diz a educadora ele dá muita atenção e é até bastante participativo.

Todos os dias lhe pergunto o que fez, o que aprendeu, todos os dias a resposta é a mesma: "não sei", já lhe disse que o vou tirar da escola porque se ele não faz nada e nada aprende, em casa dá menos despesa. Ontem lá se convenceu com a minha conversa de chacha e lá me foi dizendo que tinha aprendido a dizer passarinho mas que não se lembrava como era, e que o cookie (um gato vermelho, fantoche que ajuda a professora Gaby no decorrer da aula) tinha ficado em casa com diarreia.

Será que o cookie ficou com Gripe A??

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Nota mental

Nunca mais informar a criança de que vai haver festa, ou almoços e jantares que o possam deixar eventualmente excitado, é que no fim de semana acordou às 7 da manhã a querer ir brincar na festa de um amigo, e foi o dia todo a dizer-me que queria ir a uma festa que começou depois da hora do jantar!

Há dias em que não há paciência.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009


Em Julho tirámos as fraldas da noite, e se desde então fez xixi na cama, foram tão raros que sinceramente não me consigo lembrar, mas nas noites de segunda e terça feira qualquer coisa o incomodou e fez acordar a meio da noite chorando que queria o colinho dos papás. Não somos adeptos ferrenhos do co-sleeping, mas uma vez por outra é coisa que até nos agrada, porque são momentos de grande intimidade a três, e é uma delicia acordar com uma mãozinha no rosto a dizer que nos ama e a dar beijinhos enquanto nos "enxota" cama abaixo reclamando "já é dia, está na hora de acordar". Assim foi nestas duas noites, o mais insólito foi que não só acordou a meio da noite suplicando auxilio e atenção, como acordamos todos com um presente molhado do xani. Na primeira manhã, quando lhe toquei e percebi que estava molhado, disse-me: "estou transpirado, não fiz xixi", mas a verdade é que o tinha feito, e na noite seguinte também, mas nessa vez já se resignou ao facto de o ter feito e desculpou-se dizendo: "não volto a fazer mamã" enquanto eu lhe perguntava se precisavamos de voltar às fraldas como os bebés.
Esta noite foi bastante mais tranquila, não acordou e pela manhã, assim que abriu o olho a pergunta que lhe martelava a língua era: "estou molhado mamã? fiz xixi outra vez?"
Não houve nenhuma alteração nas suas rotinas, não houve nenhuma zanga em casa, que eu tenha conhecimento nada de grave aconteceu na escola, só pode ter sido ... da lua, será?

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Mais um aniversário

O Alexandre nasceu há 3 anos, tempo mais maravilhoso nunca tive, e pesem embora as dificuldades que ter um filho acarreta, não trocava estes 3 anos de Xani por nenhuma outra coisa.

Ele entrou como um terramoto na minha vida, alterou todas as minhas rotinas, mudou hábitos enraizados, fez-me mudar de opinião em tantas e tantas certezas que eu tinha como inabaláveis, acho mesmo que fez de mim uma mulher melhor, aliás posso mesmo afirmar que ser mãe fez de mim uma MULHER.

Senti-lo, tê-lo a formar-se dentro de mim, crescer com ele, todo o processo foi uma sensação maravilhosa, perfeitamente inexplicável, porque há fenómenos que não se conseguem traduzir, como a imensa emoção de lhe ouvir o coração a bater, ou contar-lhe os dedos das mãos e dos pés através de um ecrã e imaginá-lo gigante quando na realidade não era maior que um feijãozinho, ver o sangue bombear e passar pelo coração, sentir-lhe os pontapés. Sei bem que para quem não passou pela experiência podem parecer coisas pequeninas, sem graça ou sem importância, mas a verdade é que são fontes inesgotáveis de sentimentos contraditórios que me acompanharam durante 40 semanas.

O nascimento foi o milagre tornado realidade, a espera é um misto de ansiedade e medo, o parto é um cansaço que se esgota no momento em que a criança é depositada no nosso colo, eu apenas o tive de costas por um breve momento antes de mo levarem, e foi assustador porque não consegui ouvi-lo chorar, calculo que devido ao esforço, e entrei em pânico até me sossegarem que tudo estava bem e que ele era perfeito e saudável, depois de lavadinho e cheiroso voltou para mim e foi apenas nesse momento que os nossos olhos se cruzaram e eu soube logo ali que o meu coração seria dele para o resto da vida, assim como a minha alma.

Depois foi a imensa dependência que um ser inofensivo e no entanto tão extremamente sufocante, durante tanto tempo foi tudo e mais nada na minha vida – as mudas das fraldas, as mamadas, os sonos, os banhos, o encontro entre a minha vida e a dele, o não ser mais apenas responsável por mim, mas ter uma responsabilidade acrescida, pegar aquele nico de gente e fazê-lo crescer saudável, feliz e torná-lo num homem sério e seguro de si, com confiança nos seus passos.

Hoje aprendemos um com o outro, medimos as distâncias, calculamos as consequências e vamos em frente com os nossos actos, por vezes chocamos, perdemos a cabeça, mas temos em nós a certeza de um amor incondicional que tudo supera.

Se eu podia viver sem o Alexandre, podia, mas a minha vida não era certamente a mesma coisa!

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

FESTA

Esta semana é de festa!!
Quarta feira o Xani faz 3 anos!

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Os genes



Hoje estavamos a conversar no carro enquanto caminhavamos para a escola e no decorrer da conversa eu disse-lhe: "és mesmo contrariador, não sei a quem é que sais assim."
e ele logo de resposta pronta, como habitual: "ao meu pai!"

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Á mesa

Enquanto jantávamos, pai e mãe conversavam quando de repente ouvimos um "xiuuuuu", virámos o olhar para o pirralho de dedo em riste em frente à boca e de sobrolho franzido, com um ar bastante austero.
Explicámos que podiamos e deviamos conversar no decorrer da refeição, que era saudável podermos falar de como nos tinha corrido o dia e que até gostariamos que ele fizesse o mesmo, contando como lhe tinham corrido as aulas.
Ele compreendeu, e como não conta o que se passa durante o dia, sem que seja tirado a "ferros" disse, em tom de quem não quer ser repreendido e incomodado: "Podem falar, mas baixinho, para depois não me doer a cabeça!"

Hoje ao pequeno almoço, ele estava refastelado na sua cadeira, enquanto que eu engolia apressada os meus cereais, olhou-me e perguntou: "não é melhor sentares-te numa cadeia enquanto comes?", claro que ele tinha razão e então puxei da cadeira e sentei-me, ele feliz fez-me uma festa no braço e concluiu de sorriso rasgado: "assim mesmo, aqui ao meu lado"

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Inglês

Ontem o xani estava orgulho, tinha aprendido mais duas palavras em inglês "boy" e "girl", e não se esqueceu das que aprendeu a semana passada!

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Festinhas

Desde que o papá lhe disse que a mamã adora festinhas no cabelo, e que como precisa de miminhos ele deveria fazer um "cafuné", venho todos os dias despenteada para o trabalho, e sabe tão bem ....

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Deduções brilhantes

Estivemos a ouvir histórias de encantar enquanto eu fazia o jantar. Uma a seguir à outra, foram 5 no total, que ele sorveu a cada palavra debitada pelo leitor de cd’s.
No final queria ver a Branca de Neve ou a Bela Adormecida, ao que eu lhe disse que se fosse um rapazinho bonito e se portasse bem teria a Bela Adormecida em formato de ópera no mês de Novembro, e como bem sei que o tempo e o espaço são conceitos difíceis de entender para uma criança tão pequena expliquei-lhe que depois de fazer os 3 anos, logo a seguir ao seu aniversário iríamos os 2 à ópera novamente, e que depois da flauta mágica que ele tanto gostou seria a vez da Bela Adormecida.
Creio que ficou convencido, porque depois do jantar disse-me com propriedade, agora vou lavar os dentes e vou para a minha caminha, tenho de me portar bem para ver a Bela Adormecida. Penso mesmo que dormiu a pensar no assunto.

No Domingo a babá Lé fez o favor de lhe comprar uns sapatos novos, e uma camisola e uma sweat, e de o informar que já ficava dada a prenda de aniversário, para o dia em que ele completasse os seus 3 anos.

Começado que está o Outono, e já com chuva e tudo foi preciso estrear os sapatos para que não andasse de pé ao léu enquanto chapinhava no recreio, e como adora prendas e é vaidoso ficou muito contente por estreá-los, mas queria mais, queria também as camisolas. Expliquei-lhe que as camisolas eram para o aniversário, e a dedução não podia ter sido mais brilhante: se as camisolas eram para o aniversário, e se ir à ópera era efeméride para depois do aniversário, isso queria dizer que ia vestir as camisolas quando fosse ver a Bela Adormecida!

terça-feira, 20 de outubro de 2009

O sonho das crianças

Pois é minha amiga peixinho dourado, o Xani já aprendeu a dizer "blue" e "red", e sim eu fiquei a rebentar de orgulho tal como por ti previsto, como fico sempre que o vejo a lavar as mãos ou os dentes sozinho, coisinhas para me deixarem de lágrima no olho de tanta emoção e por senti-lo cada vez menos dependente de mim.

Hoje ao acordar disse-lhe que tinha de se despachar para poder ir à aula de informática, ao que ele me responde: "vou ver o foguetão 2000, o sonho das crianças" pondo-se de pé num salto dizendo, como o seu "amigo" Yakari: "estou pronto para começar o dia".

Adenda: Nas aulas anteriores ele viu um programa chamado "Foguetão 2000", que já pesquisei e percebi então que o programa inicia-se com uma canção "apelando ao sonho, à esperança, à brincadeira e à aprendizagem".

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Sensíbilidade e bom senso

Há cerca de 2 semanas o meu avô de 80 anos tem andado mais em baixo, é a tosse que não o larga e que o deixa cansado, exausto, com falta de ar, falta de forças e até falta de vontade.

Todos os dias ligo ao meu avô para saber dele, desde sempre, e o Alexandre gosta de partilhar esses momentos e de aproveitar para falar com a babá Lé e o vovô António, aquele a quem ele um dia me disse que gosta dele "velhinho", depois de lhe perguntar se iria gostar de mim quando eu fosse velhinha.

Há cerca de 2 semanas, todos os dias o Alexandre se recusa a falar ao telefone com o avô e a avó. Há sempre alguma coisa mais importante para fazer, no sábado sentei-me com ele e perguntei-lhe o que se passava para que de um momento para o outro ele não tivesse mais vontade de falar com os avós, e que estes estavam a ficar tristes com a sua ausência.

A resposta foi aterradora, e deixou-me de nó na garganta: "Porque eu não sei se o meu avô está bem."

E no ínicio foi o verbo

Que o Alexandre se explica como gente grande, já é do conhecimento público;
Que o Alexandre fala desde os 6 meses e que com um simples "olá" conquistou o mundo que o rodeia, já é do conhecimento público;
Que o Alexandre gosta de usar palavras caras, como saborear, delicioso, exactamente ou repreender, já é do conhecimento público.
Agora os tempos verbais, isso é que já é mais difícil de acertar, que na realidade é preciso não esquecer que os 3 anos ainda nem estão concretizados.
Ontem dizia-me enquanto eu triste lhe perguntava se afinal não queria a minha mão a passar-lhe pelo "pêlo": "Eu já pedo a tua mãozinha" - e lá eu lhe corrigi gentilmente (palavra que ele tão prontamente aprendeu por ouvir a história do gatinho todas as noites) o tempo verbal ensinando que em vez de pedo é peço.
E quando, a semana passada, foi apanhado a meter o dedo no nariz desculpou-se dizendo: "Eu estava a cossir, porque tinha comichão" - que supomos ter sido a junção de coçar com tossir e de onde se gerou espontâneamente uma nova palavra, prontamente lhe fiz partilhar a palavra correcta - coçar.

PS: todas as palavras coloridas são por ele utilizadas com grande mestria e correcção, sabendo com precisão como e quando utilizá-las.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Últimas

As últimas semanas foram uma roda viva para o meu boneco.
Fez campanha eleitoral com a "mumy"; iniciou as suas actividades escolares com música, ginástica, ciências, inglês e informática; foi às festas da terrinha - comeu farturas e deliciou-se com os carrocéis; está crescido e forte, sempre de resposta pronta e de pergunta na ponta da língua.

Imita-nos na perfeição, ontem por exemplo disse-lhe: "Alexandre vai ter com o pai."
Ao que ele retorquiu: "Tens de pedir como deve ser." - tal e qual o que eu lhe digo, sempre que não usa as palavras mágicas, claro que fui obrigada a fazê-lo: "Alexandre vai ter com o pai, se faz favor."
Ainda não totalmente contente, reforçou da mesma forma, tal e qual a mãe: "Agora pede com jeitinho."
Lá tive de lhe fazer o favor, tentado controlar o riso para que ele não percebesse que tinha tocado no ponto chave das grandes lamurias que lhe costumo fazer, envolvidas decerto por alguma gravidade no semblante: "Alexandre, podes ir ter com o pai, se faz favor", num tom doce e melodioso, como ele tão bem sabe fazer sempre que leva um raspanete por não falar "como deve ser" com os progenitores.

Já está crescido e não é nenhum bebé, apenas se acobarda ainda quando à hora de dormir diz que não precisa de luz que isso é coisa de criança, mas acaba por pedir, que o medo ainda é mais forte que a vontade de crescer.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Casório

E viva a noiva que estava linda, e mais o noivo que estava embevecido e o Xani que não parou de dançar noite dentro, e de bater palmas e de querer ir tocar piano.
Foi para quem o quis ver, de cabelo cortado à homenzinho, com sorriso nos lábios a dançar com quem o queria, que ele chega para todas as amigas da mãe e mais as meninas que por lá andavam.
O que ele gosta é de festa, não sei mesmo a quem sairá?!

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Na escola

Ontem tive a minha primeira reunião de pais, foi muito generalista, para sabermos qual o plano educativo, as rotinas diárias, o que brincam e trabalham durante o dia, o que farão a partir do proximo mês, enfim, trivialidades que são fundamentais os pais estarem a par para saberem o que os seus descendentes andam a fazer.

A auxiliar da sala do xani veio contar-me que a semana passada, enquanto estavam no recreio, uma outra auxiliar lhe perguntou se o Alexandre era um menino dela, ao que ele prontamente se virou e respondeu:

- "Não, sou da minha mãe!"

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

As músicas que ele canta (3)



ADORA o refrão e dança com os braçinhos no ar enquanto vai dizendo qualquer coisa parecido com "ijuwanaaabeokokokokokokokok".

LINDO

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Vais, mas voltas!

O meu boneco, quando o informei de que iria passar o fim de semana fora e que ele ia ter de se portar bem com o papá e a vóvó, olhou para mim e disse-me:
- "Mas voltas?"
Ao que eu respondi, naturalmente, que sim, apenas para o ouvir retorquir:
- "Senão eu vou ficar muito zangado!"

Ah pois claro!!!

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Julio Pomar




No passado Sábado o Alexandre estreou-se nas lides da pintura!




A mamã e a babá levaram o seu menino ao Palácio Anjos em Algés, para a sua primeira experiência numa exposição de quadros, e logo com tão afamado pintor português como é Júlio Pomar.


Felizmente Pomar pinta animais como ninguém, e usa cores garridas capazes de chamar a atenção dos mais desatentos.


Não foi fácil mantê-lo focado nas telas, nem nas paletes de cores, como também não foi fácil mantê-lo sossegado sem correrias ou gritarias: "mamã olha aqui, uma piscina!", que eu diria foi o de mais fascinante que ele encontrou, e nem sequer fazia parte da exposição, era antes o espelho de água que fazia o enquadramento dos corredores entre salas.


Assim de repente, e sendo leiga na matéria eu diria que a arquitectura do Palácio foi mais atractiva que os desenhos dos gatos, das cabras, dos elefantes, dos crocodilos e de todos os bichos quantos havia na arca de Noé que Pomar gosta de pintar.


Já a melga gigante que estava plantada do lado de fora do envidraçado de um dos corredores, também lhe fez as delícias, e foi alvo de outra estridente chamada de atenção: "mamã, olha é gigante, o que é isto?"


No geral ele gostou do passeio, quer no jardim, quer pela exposição, mas não fosse a maioria das pinturas uma representação de animais e não sei se não teria roçado a desgraça total.


Já eu encontrei por lá alguns que iam a matar na parede da minha sala...

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

O trabalho final


Alegre - Porque consegue estar sempre bem disposto, até mesmo quando está doentinho.
Lindo - Porque não há no mundo rapazinho mais atraente aos olhinhos da mãe. (a foto que colei atrás, está o máximo, parece mesmo um homenzinho).
Encanto- Era encantador, mas não cabia e eu tive de encurtar, além do mais não tinha letras que chegassem ainda tive de fazer malabarismos com o que havia. E ele é um encanto porque não há quem não se sinta tocado na presença dele, pela sua alegria, pela sua energia, pela sua simpatia.
Xuxu - Porque é um doce e eu não sabia o que fazer com esta sacana desta letra!
Autónomo - Porque desde cedo sempre quis fazer tudo sozinho, vestir, xixi, comer, beber, e até lavar os dentes quase na perfeição.
Nobre - Porque defende e protege os mais pequeninos.
Reguila - Porque é criança e quer aprender a vida num fôlego, tem personalidade e gosta das coisas à sua maneira, ainda que não seja a melhor e se sinta contrariado quando o impedem de se emancipar.
Efusivo - Porque onde quer que ponha o pézinho já está o centro das atenções, a cantar, a rebolar e a seduzir.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Desafio

Temos um trabalho de casa para fazer para a nova escola. Eu já fiz a minha parte, mas achei engraçado o desafio e vou deixá-lo aqui para os que me lêem, para os que têm acompanhado "de perto" o crescimento do Alexandre, e que o conhecem através dos olhos da mãe.
Assim, espero contributos para uma cabal descrição da personalidade do meu rapazinho, tal qual vocês o vêem, com adjectivos começados pelas letras que compõem a seguinte palavra:

A
L
E
X
A
N
D
R
E

Giro, não?!
Eu confesso que dei largas à imaginação no X, porque não fui capaz de me lembrar de nenhum adjectivo começado por esta letra, muito menos um adjectivo adequado ao meu filho.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

No colégio

Nós, meros seres humanos longe da perfeição dos deuses, temos inúmeros defeitos, um deles, a inveja, está muito traduzido num antigo provérbio de que gosto muito: “A galinha da vizinha é sempre melhor que a minha”. Este pecado capital tem apenas 2 honrosas excepções, os nossos animais de estimação, e no caso de haver prol, os que a compõem.

Assim, os nossos cães, gatos, peixes, periquitos, iguanas, o que seja que nos faz as delicias ao final do dia quando chegamos a casa e precisamos de companhia e de quem nos ouça, são SEMPRE os melhores, os mais meigos, os mais espertos, os mais engraçados e cómicos, os mais fofinhos, enfim só lhes falta mesmo falar.

Eu, como comum mortal, não sou diferente, a minha Puska é linda, não há cão mais doce, nem mais meigo, é tão carente que nem se queixa de lhe darmos mimos a mais, é esperta o suficiente para saber quando se fazer passar por parva, ama os donos incondicionalmente e com uma paixão doida o Xani.

O Alexandre, esse então é o melhor menino do mundo, o meu milagre. Não há nenhum como ele, carinhoso, inteligente, maravilhoso, fantástico, um espectáculo, cativante, com um sorriso que nos derrete, dócil mas com personalidade, sedutor, manipulador, comunicativo, com o dom da palavra, com o dom de aprender sem dificuldade, simpático para com todos, protector dos mais novos e fracos, sempre de resposta na ponta da língua, enfim todo o orgulho da mãe babada que sou.

Não que fosse preciso quem está de fora acrescentar algo mais para eu ter no Alexandre o meu mundo, as minhas forças, a minha vida, mas chegar ao colégio novo ao fim de dois dias e ter a educadora e a auxiliar a dizerem-me que ele não dá trabalho nenhum porque come sozinho e sem reclamar de ser peixe ou legumes; porque pergunta qual é a cama onde se vai deitar, tira os sapatos, enfia-los por debaixo da cama deita-se e ele mesmo se tapa e dorme de imediato, sem que seja preciso embalá-lo, dar-lhe colo, ou chucha; porque está sempre interessado nas brincadeiras com os colegas e participa com entusiasmo; porque protege o amigo de sempre, o “mano” Rodrigo que está a ter uma adaptação difícil, dando-lhe a mão para o reconfortar, e estando sempre do lado dele para lhe transmitir segurança.

Se não fosse suficiente eu conhecer o meu filho e quase lhe antecipar os movimentos, os beijos, as lágrimas, as brincadeiras e as birras, se não fosse suficiente ele ser o rapazinho mais lindo do mundo para mim, se não fosse suficiente eu amá-lo sem barreiras, depois de ter tido 1 conversa com as suas novas educadoras, eu estaria a espalhar aos 7 ventos que tenho o MELHOR FILHO DO MUNDO, mas isso é aliás, o que eu faço todos os dias, e por ele dou graças a deus, e peço a quem me queira ouvir para o proteger de tanto mal que existe no mundo, e para o manter sempre saudável e para lhe dar as asas para voar até onde ele estabelecer como limite.